Uma receita lembrada, esquecida e lembrada de novo

Quando eu era criança, lembro que existia um biscoito, cujo nome não lembro, que tinha uma aparência toda quebradinha. Lembro que ele era bem duro, do sabor também não lembro (pra eu não lembrar, devia ser bem mais ou menos), mas o que eu lembro era da aparência. Além de achar muito bonito e diferente, ficava olhando e tentando entender o que tinha feito aqueles biscoitos ficarem com aquela casquinha tão intrigantemente craquelada. Eu achava lindo.

Com o tempo, não vi mais os biscoitinhos, mas há bom um tempo atrás, encontrei uma receita de biscoitos que ficavam craquelados e copiei. Juro que não lembro de onde tirei, e infelizmente, não tenho ideia de quem seja sua autoria. Mas lembro que fiz uma vez, há muito tempo. Lembro que gostei, e não fiz nunca mais. Mas também não lembrava mais qual era o sabor, só sabia que era bom, por isso ela estava guardada.

Nesta semana, encontrei uma amiga muito querida, a Roberta, com quem, durante a faculdade de jornalismo, encontrava todos os dias, mas que fazia alguns anos que não via. Pensei em levar algum presente comestível para ela.

Mas queria uma receita bonita e que eu gostasse de comer. Pensei: uma receita antiga e resgatada para uma amiga antiga e reencontrada… e fiz a receita dos biscoitos craquelados, que segue, com minhas observações:

  • 200 g chocolate meio amargo picado
  • 140 g de manteiga sem sal cortada em pedaços
  • 2/3 xícara de açúcar confeiteiro
  • 3 ovos
  • 1 colher (chá) extrato de baunilha
  • 1 pitada de sal
  • 1/2 colher (chá) fermento em pó
  • 1/4 xícara de chocolate em pó
  • 1 e 1/2 xícara de farinha
  • açúcar confeiteiro para cobrir os biscoitos (eu usei mais ou menos 1/2 xícara)

Acenda o forno a 180º. Forre três assadeiras com papel manteiga. Reserve.

Peneire o chocolate em pó, a farinha, o fermento e o sal em uma tigela. Reserve.

Em outra tigela, coloque o chocolate meio amargo picado e a manteiga. Leve ao microondas até que tudo esteja derretido. (eu levei duas vezes ao microondas: a primeira, por 40 segundos, tirei, mexi bem e levei de volta ao microondas por mais 20 segundos. Mexi bem até que tudo estivesse bem derretido.) A receita original dizia para colocar o chocolate e a manteiga em uma panela e levar ao fogo baixo até tudo estar derretido. Achei que no microondas, seria mais rápido e daria pra fazer tudo em uma tigela.

à esquerda, a mistura depois de 40 segundos; à direita, a mistura depois de mais 20 segundos e um tempinho mexendo até derreter tudo

Quando a mistura de chocolate e manteiga ficar bem homogênea e estiver esfriado um pouco, acrescente o açúcar confeiteiro e misture bem.

Acrescente os ovos, um de cada vez, mexendo bem depois de adicionar cada ovo.

Coloque o extrato de baunilha e mexa bem.

Acrescente a mistura de chocolate em pó, farinha, sal e fermento à mistura de manteiga, chocolate e ovo. Misture bem, cubra a tigela e leve à geladeira até que a massa fique bem firme para ser boleada. (Depois de 1 e 1/2 hora na geladeira, a minha massa um pouco firme, mais para mole, mas o suficiente para bolear).

a massa finalizada, antes de ser coberta e ir à geladeira

Quando a massa estiver firme, use uma colher de sorvete ou colher comum para tirar porções de massa e modele bolinhas com esta massa. Passe as bolinhas pelo açúcar confeiteiro, cobrindo toda a superfície das bolinhas.

Coloque as bolinhas na assadeira, sobre o papel manteiga, deixando uma boa distância entre elas, pois elas espalham e crescem.

Leve as bolinhas cobertas e dispostas nas assadeira ao forno por mais ou menos 20 minutos, ou até que os biscoitos estejam firmes ao toque e sua superfície esteja craquelada. (os meus ficaram por 20 minutos).

Quando estiverem assados, retire o papel manteiga com os biscoitos das assadeiras e coloque sobre grades. Quando esfriarem, retire os biscoitos com cuidado do papel manteiga e deixe descansar sobre a grade.

Ao contrário do biscoito de aparência que me fascinava na infância, este biscoito é macio e saboroso. O açúcar craquelado forma uma casquinha finíssima que se contrapõe com a maciez da massa. O chocolate meio amargo derretido é definitivo para o sabor, de chocolate marcante, mas com doçura na medida. Muito gostoso. Agora lembrei porque guardei a receita.

Confesso que às vezes acho esquisito o fascínio que tenho pela aparência dos doces. Tenho a sensação que esta minha mania de ficar encanada com doces bonitos e querer saber como são feitos seja uma obsessão minha, que as pessoas normais não têm e simplesmente achem atraente ou repulsivo, gostoso ou ruim e pronto.

Mas fiquei muito muito feliz quando a Roberta olhou a embalagem transparente em que coloquei os biscoitos e disse: “Nossa, que bonito! Como é que faz ficar assim?”. Percebi que felizmente, doces bonitos aguçam a curiosidade de muita gente e eu sou (em parte) normal. Obsessiva, mas normal! Ahahahaha!

Sobre Ana Sakamoto

jornalista não praticante, vive em São Paulo. Gosta de cores e sempre atravessa na faixa.
Esse post foi publicado em cookies, doces. Bookmark o link permanente.

2 respostas para Uma receita lembrada, esquecida e lembrada de novo

  1. Charito Peraza disse:

    Amei a receita, eu fiz duas tongadas a primeira idêntica à receita e a outra substitui o chocolate amargo por alfarroba, ambos ficaram uma delicia,

    Gostaria de traduzir está receita ao espanhol e colocá-la no meu blog e também colocá-la em uma rede de culinária de la qual participo.

    Aproveito a oportunidade para te fazer una pequena pergunta e depois falar de um de meus princípios que também é em forma de pergunta.

    Pergunta: Quantas receitas ficaram perdidas no tempo? E você imagina por que?

    Princípio: Para que serve o conhecimento se não pode ser divulgado?

    Muito Obrigada.

    Que Deus te abençoe hoje e sempre

  2. Roberta Dutra disse:

    Preciso deixar minha opinião. Os biscoitos são DE-LI-CI-O-SOS!
    Cheguei em casa com a caixinha e meu marido logo arregalou os olhos.
    Já adiantei: “São para os meninos. A Ana fez para eles”. Mas ninguém em casa resistiu.
    Ao contrário dos biscoitos da minha infância (sim, Ana, eu também me lembro deles, inclusive do sabor), esses ficam fofinhos e têm muito sabor. Gosto de bolo de chocolate daqueles caprichados, só que, apesar de fofinhos, não esfarelam como bolo.
    Meu filho mais velho, de oito anos, provou e já declarou. “Hummm, delicioso. Mãe, pede a receita para a sua amiga”. Falei que teríamos de esperar até domingo.
    Vale muito a pena!
    Ainda não fiz a receita porque estive viajando em férias essa semana, mas já prometi pra turma aqui que da semana que vem não passa.
    Foi ótimo te rever, Ana. Lembrar nosso tempo de faculdade e saber que você está no caminho certo com as suas receitas. Pena que foi rapidinho. Vamos marcar outras vezes. Jundiaí não é tão longe assim, né? Beijos

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s